Uso de Drones por Empresas de Segurança Privada

Postado por Eng. Delmo Tavares Sobrinho em 10/25/2017
Uso de Drones por Empresas de Segurança Privada

Quer você se refira a eles como veículos aéreos não tripulados (VANTs) ou drones, esses dispositivos são uma forma importante de segurança a considerar para o futuro do setor de segurança. Os drones tem sido utilizados comercialmente desde 2014 e estima-se que irão gerar mais de 100.000 novas vagas nos próximos 10 anos nos Estados Unidos. No entanto, somente em 2 de maio de 2017 a Diretoria Colegiada da ANAC aprovou o regulamento especial para utilização de aeronaves não tripuladas através da norma Regulamento Brasileiro de Aviação Civil Especial – RBAC–E nº 94.

O normativo foi elaborado levando-se em conta o nível de complexidade e de risco envolvido nas operações e nos tipos de equipamentos. Alguns limites estabelecidos no novo regulamento seguem definições de outras autoridades de aviação civil como Federal Aviation Administration (FAA), Civil Aviation Safety Authority (CASA) e European Aviation Safety Agency (EASA), reguladores dos Estados Unidos, Austrália e da União Europeia, respectivamente.

Com o regulamento, as regras para uso foram estabelecidas e simplificaram o processo de aquisição de autorizações necessárias para o uso de drones com objetivos comerciais, lembrando ainda que para operar drones é necessário também seguir as regras da ANATEL e de utilização do espaço aéreo do DECEA. Estima-se que esta seja uma indústria de US$ 10,5 bilhões anuais somente nos EUA, envolvendo 600 mil drones.

Mas como a criação da indústria de drones comerciais afetará empresas de segurança privadas? Aqui estão algumas notas importantes a serem consideradas.


Usos versáteis no setor de segurança

Os drones podem ser usados de diversas maneiras dentro do setor de segurança, incluindo cobertura mais abrangente de grandes áreas, levantamento de propriedades, pulverização de plantações, serviços de babá, avaliação de catástrofes como incêndios, além do uso pelos órgão de segurança.

As seguintes aplicações também podem beneficiar as empresas privadas de segurança, melhorando a eficiência.


Cobertura mais ampla

Uma das principais vantagens que os drones podem trazer para a indústria de segurança é a capacidade de cobrir faixas mais longas do que o pessoal da segurança humana, possibilitando o monitoramento em tempo real com imagens de alta resolução, permitindo alocar equipes no caso de identificação de movimentações suspeitas. Adicionalmente, os drones podem atingir e monitorar áreas de difícil acesso.


Serviço de babá

Isso pode parecer um pouco estranho no início, mas assim como os drones podem ser usados para monitorar propriedades, eles também podem ser usados para monitorar crianças ou animais de estimação. Estes " serviços de babá " fornecem uma forma adicional de segurança que pode ser aplicada no setor de segurança privada.


Marcação de suspeitos

Deggy Controle de Ronda

Drones podem ser equipados com um pacote de tintas, semelhante ao usado pelos bancos. Cobrir o intruso com tinta brilhante que não pode ser lavada facilmente. Isto irá tornar mais fácil para a polícia encontrar e prender o criminoso se ele deixar o imóvel.


Detecção Térmica

Os drones podem ser usados para seguir os agressores usando a detecção térmica, com o poder do software que usa o aprendizado da máquina para gerar imagens térmicas dos intrusos. Esta aplicação é muito útil para monitoramento noturno.


Automação

Os drones também podem ser úteis na execução de ações automaticamente. Por exemplo, o drone autônomo da empresa de segurança japonesa, Secom, pode detectar movimento em torno do perímetro de uma propriedade e imediatamente se desloca para a área do movimento detectado para monitorar a área e entregar esses dados de volta ao centro de comando de segurança através de gravação de vídeo ao vivo. No entanto, no Brasil esta modalidade de voo autônomo não foi autorizada, havendo sempre a necessidade de um operador do drone presente.


Drones são para complementar a segurança humana, não para substitui-la

Enquanto os drones oferecem recursos que podem ir além das capacidades humanas, eles não estão em um ponto em que possam substituir o homem completamente como uma equipe de segurança. Uma das razões importantes para isso é que os drones carecem de uma vida útil da bateria longa e muitas vezes precisam de reabastecimento. Isso significa que as empresas de segurança teriam que considerar uma frota de drones e se a despesa vale a pena.

O novo código prevê ainda a proibição da operação autônoma de aeronaves não tripuladas. Além disto somente é permitido iniciar uma operação de aeronave não tripulada se, considerando vento e demais condições meteorológicas conhecidas, houver autonomia suficiente para realizar o voo e pousar em segurança no local previsto.

Devem ser considerados ainda a obrigatoriedade de possuir seguro com cobertura contra danos a terceiros e por último, que a distância da aeronave não tripulada não poderá ser inferior a 30 metros horizontais de pessoas não envolvidas com o voo e não anuentes com a operação.



Considerações finais

Mesmo que os drones não sejam susceptíveis de assumir as funções de substituição de pessoas no setor de segurança, eles podem ser ativos valiosos para combater o crime, se usados adequadamente como parte do seu sistema de segurança no futuro. Eles podem automatizar a segurança para a agilidade e ajudar o pessoal de segurança e a polícia a deter ou combater o crime. O futuro dos drones no setor de segurança está apenas começando, e vale a pena explorar as oportunidades que se seguem, primeiro entendendo o uso adequado de drones para uso comercial, de acordo com as novas diretrizes da ANAC.